PCP questiona Câmara de Ovar sobre Cais da Ribeira Versão para impressão
Escrito por Comissão Concelhia de Ovar do PCP   
Quarta, 11 Agosto 2010 18:25

Manuel Duarte e Mário Jorge no Cais da RibeiraO Cais da Ribeira representa uma dos mais valiosos testemunhos da nossa cultura. Construído em 1754, o Cais da Ribeira foi ao longo de mais de duzentos anos um autêntico pólo de desenvolvimento da nossa economia local e regional. Para além de constituir uma plataforma logística estrutural na ligação entre o norte do distrito e a cidade de Aveiro, nele se cruzam muitas e variadas actividades económicas, como sejam a pesca e apanha do moliço, a produção de sal e a carpintaria naval. A passagem pelo Cais da Ribeira da Rainha D. Maria II, com toda a sua comitiva, a caminho de Aveiro em 1852, (recriada no ano passado numa encenação promovida pelos Amigos da Avenida e pela Câmara Municipal de Aveiro) testemunha bem a importância deste património histórico da nossa cidade.

Lamentavelmente, o Cais da Ribeira encontra-se completamente abandonado, seja ao nível da própria Ria, completamente assoreada, seja pelo cais propriamente dito, seja pelos edifícios circundantes, que conferem a toda aquela zona uma imagem de aldeia fantasma. No quadro do Polis da Ria de Aveiro, aprovado recentemente, foi lançado no passado dia 6 de Maio, em Diário da República, um concurso para, no âmbito do Polis, a Elaboração do Projecto de Reordenamento e Qualificação da Frente Lagunar de Ovar - Cais da Ribeira, Foz do Rio Cáster e Praia do Areinho. O projecto destina-se a reordenar e qualificar a Frente Lagunar de Ovar, dotando-a de condições de vivência e usufruto pela população e visitantes, e permitindo uma ligação de qualidade com o espaço Ria. O projecto contemplará o reordenamento e a valorização paisagística da área envolvente ao Cais da Ribeira, com a construção de um edifício de apoio à Ecopista.

Posto isto, e depois de Manuel Duarte ter levantado a questão na última Assembleia de Freguesia de Ovar, Miguel Viegas, eleito do PCP na AssembleiaManuel Duarte e Mário Jorge Municipal de Ovar volta à carga, num momento em que acabou o prazo para entrega dos projectos. Questionando, naturalmente, a existência do projecto e sua eventual avaliação, o deputado comunista questiona igualmente a Câmara sobre a necessidade de potenciar o investimento a realizar naquele cais, numa lógica de complementaridade. Uma vez que o Polis, a acreditar no projecto, apenas irá desassorear a Ria, recuperar o cais e construir um pequeno equipamento de apoio às ciclovias, é evidente que caberá à Câmara dinamizar todo aquele valioso espaço, cheio de tradições, onde poderiam nascer, no futuro, instalações desportivas ligadas aos desportos náuticos ou, ainda, equipamentos culturais destinados à preservação da memoria histórica sobres as actividades da pesca, do sal ou da industrial naval, que ali floresceram no séculos XIX e princípio do século XX.

 

Ovar, 2 de Agosto de 2010

A Comissão Concelhia de Ovar do PCP

 

 

 


 

Requerimento:

Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Municipal de Ovar

Assunto:

Cais da Ribeira

 

 

Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Municipal

O Cais da Ribeira representa uma dos mais valiosos testemunhos da nossa cultura. Construído em 1754, o Cais da Ribeira foi, ao longo de mais de duzentos anos, um autêntico pólo de desenvolvimento da economia local e regional. Para além de constituir uma plataforma logística estrutural na ligação entre o norte do distrito e a cidade de Aveiro, nele se cruzam muitas e variadas actividades económicas, como sejam a pesca e apanha do moliço, a produção de sal e a carpintaria naval. A passagem pelo Cais da Ribeira da Rainha D.  Maria II, com toda a sua comitiva, a caminho de Aveiro, em 1852, (recriada no ano passado numa encenação promovida pelos Amigos da Avenida e pela Câmara Municipal de Aveiro) testemunha bem a importância deste património histórico da nossa cidade.

Lamentavelmente, o Cais da Ribeira encontra-se completamente abandonado, seja ao nível da própria Ria, completamente assoreada, seja pelo cais propriamente dito, seja pelos edifícios circundantes, que conferem a toda aquela zona uma imagem de aldeia fantasma. No quadro do Polis da Ria de Aveiro, aprovado recentemente, foi lançado no passado dia 6 de Maio em Diário da República um concurso para, no âmbito do Polis, a Elaboração do Projecto de Reordenamento e Qualificação da Frente Lagunar de Ovar - Cais da Ribeira, Foz do Rio Cáster e Praia do Areinho. O projecto destina-se a reordenar e qualificar a Frente Lagunar de Ovar, dotando-a de condições de vivência e usufruto pela população e visitantes, e permitindo uma ligação de qualidade com o espaço Ria. O projecto contemplará o reordenamento e a valorização paisagística da área envolvente ao Cais da Ribeira, com a construção de um edifício de apoio à Ecopista.

Posto isto, venho na qualidade de representante do PCP na Assembleia Municipal de Ovar colocar ao Executivo Municipal as seguintes questões:

-Tendo em conta que já passaram os 42 dias definidos no concurso como prazo para apresentação de projectos, pergunto se chegou a entrar algum projecto para a recuperação da frente lagunar de Ovar junto da sociedade Polis da Ria de Aveiro;

-Tem a Câmara Municipal de Ovar tem algum projecto de âmbito cultural ou desportivo, que possa potenciar os investimentos que irão ser realizados no cais da Ribeiro? Falo, por exemplo, da existência de um museu que preserve a memoria histórica sobres as actividades da pesca, do sal ou da industrial naval, que ali floresceram no séculos XIX e princípio do século XX.

 

Sem mais despeço-me com saudações cordiais

Ovar, 2 de Agosto de 2010

 

Miguel Viegas