br ar    v a l v

Jorge Machado, deputado do PCP visita Urgências do Hospital de Ovar PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Comissão Concelhia de Ovar do PCP   
Segunda, 23 Outubro 2006 22:00
Etiquetas:
foto

Na sequência do plano nacional de requalificação dos serviços de urgência proposto pelo governo e que tem provocado a indignação e o repúdio de grande parte da população, a DORAV dedicou o dia de hoje aos cuidados de saúde tendo promovido um conjunto de visita aos cinco Serviços de Urgências do distrito de Aveiro cujo encerramento foi recentemente anunciado: Anadia, Salreu (Estarreja), S. João da Madeira, Ovar e Espinho.

 

Desta forma, pelas 16 horas, uma delegação do PCP encabeçada pelo deputado Jorge Machado, esteve reunida com o Presidente do Conselho de Administração do Hospital Dr. Francisco Zagalo com o objectivo de tomar conhecimento da realidade do Hospital de Ovar perante mais este anunciado encerramento. Refira-se que esta é já a segunda visita de Jorge Machado num espaço de poucos meses na medida em que o deputado comunista já tinha estado neste hospital a 14 de Julho último para se inteirar do possível encerramento da pediatria.

Sem adiantar muito relativamente ao que é do conhecimento público, as conclusões desta visita reforçam duas ideias fundamentais: em primeiro lugar o Hospital de Ovar faz muita falta à população de Ovar, prestando um serviço de excelência que fica claramente posto em causa com o encerramento do Serviço de Urgências. Em segundo lugar, é óbvio que o Hospital da Feira, por muito boas condições que tenha, nunca poderá dar resposta a uma população de 330 mil pessoas. Note-se que este encerramento implica igualmente o encerramento do SAP, tal como o PCP tem vindo a anunciar evitando assim criar qualquer tipo de ilusão no seio da população.

 

Nas palavras do deputado comunista, os objectivos desta política são claros e inequívocos. É evidente que o Hospital da Feira nunca dará uma resposta minimamente eficaz para tanta procura. O que se pretende na realidade é desbravar terreno para o sector privado da saúde poder avançar e substituir o Serviço Nacional de Saúde Público que tenderá a ficar cada vez mais reduzido ao mínimo necessário para poder chegar aos mais necessitados.