br ar    v a l v

A CDU preocupada com a Ria de Aveiro PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Comissão Coordenadora de Ovar da CDU   
Sexta, 15 Junho 2007 22:00
Etiquetas:
foto

Perante o total abandono a que tem sido votada a Ria por parte da Câmara Municipal de Ovar e no quadro da preparação da próxima reunião da Assembleia Municipal, vários eleitos e activistas da CDU têm vindo a reunir com diversas entidades ligadas à Ria no sentido de perceber melhor o actual estado daquela que é referida, e bem, como uma das jóias do município de Ovar.

Depois de terem reunido com dirigentes do recém-constituído Clube de Canoagem de Ovar e do Centro Náutico da Ria de Ovar, António José Macedo, José Sona e Miguel Viegas estiveram no passado sábado no Cais do Puxadouro onde mantiveram contactos com pescadores, através dos quais se confirmaram as piores expectativas relativamente à Ria de Aveiro em geral e aos Canais de Ovar e de Pardilhó em particular: a não existir uma intervenção de fundo que altere profundamente o actual curso de degradação e assoreamento da Ria, Ovar pode deixar de ter Ria nos próximos anos.

 

foto

 

Esta situação assume maior gravidade tendo em conta, por um lado, os avultados investimentos públicos realizados na Marina de Ovar, cuja viabilidade fica claramente em causa com o actual estado de assoreamento do Canal de Ovar e, por outro, a desastrosa intervenção de desassoreamento de 1998, na qual os dragados foram depositados no espaço margem, voltando posteriormente ao leito da Ria.

Posto isto, a CDU de Ovar entende que se impõe com carácter de urgência uma alteração radical daquela que tem sido a postura de total desinteresse da Câmara de Ovar relativamente à Ria. Neste sentido, a CDU, através do seu eleito na Assembleia Municipal, irá propor dois eixos principais de intervenção.

O primeiro prende-se com a necessidade de garantir a navegabilidade dos Canais de Ovar e de Pardilhó. Sendo certo que esta intervenção necessita de ser devidamente planeada e pensada de forma integrada, evitando assim erros do passado, não é menos certo que chegou o tempo de exigi-la o quanto antes junto de quem de direito, ou seja, junto do Ministério do Ambiente. O segundo implica agir localmente, assumindo a Câmara a sua quota de responsabilidade na recuperação e valorização do espaço margem da Ria de Aveiro que lhe diz respeito.

 

foto

A CDU de Ovar não compreende como é que a Câmara Municipal de Ovar - como parceira do projecto ESGIRA-MARIA, projecto dinamizado pela Universidade de Aveiro e financiado pela UE, com objectivos muito concretos relativamente à recuperação dos cais da Ria e da criação da Área Protegida da foz do Rio Cáster (entre outros) - não tenha sido capaz de dar sequência a todo um meritório trabalho que assim acabou por não trazer nada de novo ao Concelho de Ovar.

Os cais (Ribeira, Pedra, Carregal, Tijosa e Puxadouro) continuam em completo estado de abandono e a área protegida ainda não passou do papel. Tendo em conta a localização dos primeiros, a CDU entende que a criação da citada área protegida deveria representar uma prioridade capaz de potenciar um conjunto de intervenções aos mais variados níveis: recuperação de estruturas, itinerários verdes, observatórios de aves, painéis pedagógicos, etc.

 

Ao nada fazer e escudando-se, como é habitual, nas complicadas teias político-administrativas que envolvem a gestão da Ria de Aveiro, a Câmara de Ovar torna-se parte do problema quando deveria ser parte de uma solução que todos queremos para a nossa Ria.