Assembleias de Freguesia

Manuel Duarte e Mário Jorge no Cais da RibeiraO Cais da Ribeira representa uma dos mais valiosos testemunhos da nossa cultura. Construído em 1754, o Cais da Ribeira foi ao longo de mais de duzentos anos um autêntico pólo de desenvolvimento da nossa economia local e regional. Para além de constituir uma plataforma logística estrutural na ligação entre o norte do distrito e a cidade de Aveiro, nele se cruzam muitas e variadas actividades económicas, como sejam a pesca e apanha do moliço, a produção de sal e a carpintaria naval. A passagem pelo Cais da Ribeira da Rainha D. Maria II, com toda a sua comitiva, a caminho de Aveiro em 1852, (recriada no ano passado numa encenação promovida pelos Amigos da Avenida e pela Câmara Municipal de Aveiro) testemunha bem a importância deste património histórico da nossa cidade.

Decorreu na Escola EB1 da Ribeira na passada quinta-feira uma Assembleia de Freguesia de Ovar. Convocada de forma extraordinária para aprovação dos símbolos heráldicos da Freguesia, foi naturalmente aproveitada para outros pontos de interesse como seja a aprovação de protocolos de colaboração entre diversas colectividades e a Junta de freguesia entre outros.

No período antes da ordem do dia, Manuel Duarte, eleito da CDU, aproveitou o local da realização da Assembleia para levantar um conjunto de questões relativas ao sítio da Ribeira preparadas previamente durante uma deslocação feita no passado fim de semana. A primeira questão levantada prende-se desde logo com a Escola EB1 da Ribeiro, que foi totalmente remodelada há cerca de 4 anos, mas que, de acordo com a Carta Educativa irá fechar as portas, com as crianças, professores e auxiliares a terem de deslocar-se futuramente para um Centro Educativo, ainda por construir, onde se irão concentrar algumas centenas de crianças, na mesma lógica economicista de poupar a todo o custo.

Manuel    Duarte

Intervenção de Manuel Duarte na Assembleia de Freguesia de Ovar de 21 de Abril de 2010.
Índice:
» 1 - Arruamentos de Ovar
» 2 - Comércio local - um olhar sobre a nossa cidade


1. Arruamentos de Ovar

[Rua Padre Férrer; Rua Escola Padre Férrer; Rua da Oliveirinha; Rua Dr. Lourenço Medeiros.]

O estado é lastimoso nas ruas perpendiculares à Rua Padre Férrer, nomeadamente na Rua Dr. Lourenço Medeiros, Rua da Oliveirinha e Rua Escola Padre Férrer. O piso já não era bom, mas depois das obras na Rua Padre Férrer, ficou uma lástima. Valas que foram abertas para canalizações e infra-estruturas que não foram reparadas ou convenientemente reparadas.

Manuel    Duarte

Intervenção de Manuel Duarte na Assembleia de Freguesia de Ovar Extraordinária de 24 de Fevereiro de 2010.
Índice:
» 1 - Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social
» 2 - Adesão de Ovar à AdRA
» 3 - Protocolo de competências entre Câmaras e Juntas

 

1. Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social

Em 21 de Janeiro foi declarado, com pompa e circunstância, o ano de 2010 como Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social. Em Portugal foi escolhido o dia 6 de Fevereiro para a mesma cerimónia.

Intervenção de Manuel Duarte na Assembleia de Freguesia de Ovar de 29 de Dezembro de 2009.
Índice:
» 1 - O Bairro dos Pobres / Bairro do Casal
» 2 - Plano de Actividades e Orçamento

Manuel Duarte

O Bairro dos Pobres / Bairro do Casal

Alguns cidadãos tentaram fazer face à pobreza que enxameava a então Vila de Ovar, entre os quais se destacaram António da Silva Bonifácio, Dr. Augusto Arala Chaves, Joaquim Belo Correia Dias e Manuel Augusto Nunes Branco. Estes cidadãos constituíram uma Comissão em 1936 que tinha por fim fornecer alimentos e agasalhos aos necessitados.

Projectaram construir uma cozinha e um refeitório que fornecesse alimentos quentes a quem precisasse. Um terreno com a área de 7.730 m2, ao lado do Matadouro Municipal, foi cedido pela Câmara Municipal de Ovar. A obra, adjudicada em 1938, foi comparticipada em 50% pelo Estado. Começou a funcionar dois anos depois. A Comissão estendeu a acção à construção de habitações, modestas mas decentes, que alugou a preços acessíveis aos mais desfavorecidos.

Intervenção de José Sona na Assembleia de Freguesia de Ovar, em 29 de Dezembro de 2008.

José SonaPeríodo antes da ordem do dia

1. Aerosoles: Quero manifestar a minha preocupação com os muitos trabalhadores da Aerosoles que moram na Freguesia e que são muitos. A situação está muito difícil e o PCP já interveio na Assembleia da República e no Parlamento Europeu. Felizmente o salário e subsídio de Natal já foram pagos mas a pressão continua com ameça de despedimento. É mais uma empresa emblemática do nosso concelho que apresenta dificuldades. (ver notícia)

 

2. Azurreira: Queria felicitar a Junta pela intervenção na Azurreira. De facto, há muito que aquele espaço não era limpo em condições como agora. Julgo que é tempo de se equipar aquele espaço com um mínimo de equipamento no sentido de torná-lo ainda mais agradável e evitar os habituais depósitos de lixo e entulho. Sabendo que aquele espaço é muito sensível, e que requere todo o tipo de autorização, não quero deixar de lançar este desafio à Junta que tem aqui uma oportunidade de ficar na memório colectiva da cidade. Uns bancos, umas árvores e umas toneladas de areia seriam quase suficientes.

Intervenção de José Sona na Assembleia de Freguesia de Ovar, em 22 de Setembro de 2008.

foto

Período antes da ordem do dia:

1. Uma primeira palavra de indignação e revolta contra o despedimento de mais de três centenas de trabalhadores da Yazaki Saltano. Uma empresa que beneficiou de milhões de euros de ajudas da União Europeia e do governo português. Uma empresa a quem foi praticamente oferecido o terreno onde se encontra instalada e que durante quase 20 anos foi tratada nas palminhas pelos nossos governantes. Hoje, os trabalhadores da Yazaki que tanto deram a ganhar a esta multinacional são tratados como lixo descartável. À semelhança de outras indústrias, a Yazaki está de armas e bagagens, pronta para partir para outras paragens, nomeadamente o norte de África e o leste europeu, onde as taxas de exploração de mão-de-obra são mais bem apetecíveis. Este é o mundo que temos, onde o lucro de alguns se sobrepõe à felicidade e ao bem estar da esmagadora maioria.  Até o dia em que os trabalhadores compreenderão que só a eles cabe acabar com este sistema capitalista cujas contradições são cada vez mais visíveis.

 

foto

2. Extracção de areias: a cerca de uma centena de metros do canil, junto à variante sul de Ovar, verifiquei a existência de uma enorme fossa de extracção de areias. A área não está delimitada, não existe nenhum registo de qualquer espécie. Já enviei pessoalmente um requerimento à Câmara para saber da legalidade daquela empreitada. Uma coisa é certa, mesmo que haja legalidade neste processo, o que me parece francamente duvidoso, não deixa de ser escandaloso autorizar-se tal prática em pleno espaço florestal. De toda a maneira, irei aguardar pela resposta da Câmara.